Uso de Execução Paralela em Conjuntos de Regras

Em alguns casos, a execução de regras de forma paralela pode ajudar no desempenho geral. As opções de cálculo são definidas no nível do conjunto de regras e afetam todas as regras no conjunto de regras. A opção padrão para todos os conjuntos de regras é processamento seqüencial. Isso significa que todas as regras são executadas individualmente e todas as regras no conjunto de regras são executadas uma a uma.

Verificação da Segurança Paralela de suas Regras

As regras geralmente afetam a execução de outras regras. Se uma regra é alocada no intervalo de origem de outra regra, a sequência de execução das regras pode ter um impacto dramático no resultado final. É por isso que a opção de cálculo padrão é sequencial.

Se houver regras que possam ser executadas com segurança em paralelo, o uso da opção de cálculo paralelo poderá ajudar a melhorar o desempenho. Defina a opção de processamento paralelo no Conjunto de Regras ou nos Conjuntos de Regras que você deseja ativar. Você também precisa definir a opção Máximo de Encadeamentos Simultâneos na tela Propriedades do Aplicativo.

Experimento com o Número de Encadeamentos

Encontrar o nível certo de encadeamentos simultâneos é uma questão de experimentação. Há um ponto em que as melhorias de desempenho são interrompidas e o uso de encadeamentos adicionais para lançar regras adicionais é contraproducente. A melhor prática para o cálculo paralelo é testar conjuntos de regras começando com quatro encadeamentos simultâneos e aumentar gradualmente o número de encadeamentos até que as melhorias de desempenho parem. Embora as regras que não misturam os intervalos de origem sejam boas candidatas ao processamento paralelo, seus intervalos de destino ainda podem compartilhar locais comuns. Nesses casos, Essbase ainda precisará pausar uma regra até que a outra tenha terminado de gravar os dados de destino. Por esse motivo, você verá um ponto em que aumentar a contagem de encadeamentos não ajuda mais no desempenho.