Importando Imagens Personalizadas do Linux

O serviço Compute permite que você importe imagens baseadas no Linux que foram criadas fora do Oracle Cloud Infrastructure (OCI). Por exemplo, você pode importar imagens em execução em suas máquinas físicas ou virtuais locais (VMs) ou VMs em execução no Oracle Cloud Infrastructure Classic. Em seguida, você pode iniciar suas imagens importadas em máquinas virtuais de computação.

Modos de Início

Como parte do processo de importação, um modo de inicialização é aplicado à imagem. O modo de inicialização de uma imagem é um conjunto predefinido de opções de inicialização. Você pode iniciar VMs Linux importadas no modo paravirtualizado ou emulado. Nas configurações baseadas em AMD e Arm, nas imagens do Oracle Linux Cloud Developer e nas imagens do Red Hat Enterprise Linux, as imagens importadas só são suportadas no modo paravirtualizado.

O modo paravirtualizado oferece melhor desempenho do que o modo emulado. Recomendamos que você use o modo paravirtualizado se no seu sistema operacional houver suporte para esse modo. Sistemas operacionais baseados no Linux que executam o kernel versão 3.4 ou mais recente suportam drivers paravirtualizados. Você pode verificar a versão do kernel do seu sistema usando o comando uname.

Para verificar a versão do kernel usando o comando uname

Execute o seguinte comando:

uname -a

A saída deve ser semelhante a esta amostra:

Linux ip_bash 4.14.35-1818.2.1.el7uek.x86_64 #2 SMP Mon Aug 27 21:16:31 PDT 2018 x86_64 x86_64 x86_64 GNU/Linux

A versão do kernel é o número na primeira parte da string de saída. No exemplo de saída mostrado anteriormente, a versão é 4.14.35.

Se sua imagem suportar drivers paravirtualizados, você poderá converter as instâncias de modo emulado existentes em instâncias paravirtualizadas. Depois de concluir a conversão, as instâncias criadas com base na imagem serão iniciadas no modo paravirtualizado.

Para converter instâncias no modo emulado em instâncias paravirtualizadas
  1. Crie uma imagem personalizada da sua instância.
  2. Edite os recursos de imagem para a imagem personalizada para usar as seguintes definições:

    • Em Firmware e Firmware Preferencial, selecione BIOS.
    • Nos campos a seguir, selecione Paravirtualizado.

      • Modo de inicialização
      • Modo de inicialização preferencial
      • Tipo de anexação de NIC
      • Tipo de anexo de rede preferencial
      • Tipo de volume de inicialização
      • Tipo de volume de inicialização preferencial
      • Volume de dados local
      • Tipo de volume de dados local preferencial
      • Volume de dados remoto
      • Tipo de volume de dados remoto preferencial

Sistemas Operacionais Suportados

Os sistemas operacionais Linux e UNIX na tabela a seguir suportam importação de imagem personalizada.

Detalhes de suporte:

  • O Oracle Cloud Infrastructure testou os sistemas operacionais listados na tabela a seguir e oferece suporte aos clientes para garantir que as instâncias iniciadas por essas imagens e criadas de acordo com as diretrizes deste tópico sejam acessíveis por meio de SSH.
  • Para qualquer versão de sistema operacional que não seja coberta por um serviço de suporte oficial da Oracle (por exemplo, Oracle Linux com Suporte Premier), o Oracle Cloud Infrastructure fornecerá suporte comercialmente razoável, limitado a iniciar uma instância e torná-la acessível via SSH.
  • O suporte do Oracle Cloud Infrastructure ao criar uma instância de um sistema operacional personalizado não garante que o fornecedor do sistema operacional também ofereça suporte à instância. Os clientes que executam o Oracle Linux no Oracle Cloud Infrastructure têm acesso automaticamente ao Oracle Linux Premier Support.
Sistema Operacional Linux ou semelhante ao UNIX Versões Suportadas
CentOS 6.9, 7, Stream 8 ou mais recente
Debian 5.0.10, 6.0, 7, 8 ou mais recente
Flatcar Container Linux 2345.3.0 ou mais recente
FreeBSD 8, 9, 10, 11, 12 ou mais recente
openSUSE Leap 15.1
Oracle Linux 5.11, 6.x, 7.x, 8.x, 9.x
RHEL

Suporte do Red Hat e do OCI por meio do programa CCSP (Red Hat Certified Cloud and Service Provider): para versões e formas, consulte Red Hat Ecosystem Catalog - Oracle Cloud Infrastructure

Suporte limitado do OCI: 4.5, 5.5, 5.6, 5.9, 5.11, 6.5, 6.9, 7 ou mais recente

SUSE 11, 12.1, 12.2 ou mais recente
Ubuntu 12.04, 13.04 ou mais recente

Imagens do Red Hat Enterprise Linux (RHEL)

Certas versões de imagens Red Hat Enterprise Linux (RHEL) são suportadas pelo programa Red Hat Certified Cloud and Service Provider (CCSP). Para criar uma instância usando uma imagem RHEL suportada:

  1. Identifique as versões do RHEL e as formas do serviço Compute suportadas por meio da revisão do Red Hat Ecosystem Catalog - Oracle Cloud Infrastructure.
  2. Faça download de uma versão suportada do RHEL no Portal do Cliente Red Hat. O formato da imagem deve ser a imagem convidada do KVM.
  3. Faça upload da imagem para um bucket no Object Storage. É recomendável que você crie outro bucket dedicado às imagens do RHEL.
  4. Importar a imagem como uma imagem personalizada. Use as seguintes definições:

    • Tipo de imagem: QCOW2
    • Modo de inicialização: Modo paravirtualizado
  5. Defina que a imagem personalizada seja compatível com as formas suportadas para a imagem.
  6. Crie uma instância que use a imagem personalizada RHEL e uma forma suportada.
  7. Estabelecer conexão com a instância. O nome de usuário padrão é cloud-user.

Requisitos de Imagem de Origem do Linux

As imagens personalizadas devem atender aos seguintes requisitos:

  • O tamanho máximo da imagem é de 400 GB.

  • A imagem deve ser configurada para a inicialização do BIOS.

  • Há suporte para apenas um disco, e ele deve ser a unidade de inicialização com um registro mestre de inicialização (MBR) e um carregador de inicialização. Você pode migrar volumes de dados adicionais depois de importar o volume de inicialização da imagem.

  • O processo de inicialização não deve exigir a presença de volumes de dados adicionais para uma inicialização bem-sucedida.

  • O carregador de inicialização deve usar o LVM ou um UUID para localizar o volume de inicialização.

  • A imagem do disco não pode ser criptografada.

  • A imagem do disco deve ser um arquivo VMDK ou QCOW2.

    • Crie o arquivo de imagem clonando o volume de origem, e não criando um snapshot.
    • Os arquivos VMDK devem ser do tipo "single growable" (monolithicSparse) ou do tipo "stream optimized" (streamOptimized), ambos consistindo em um só arquivo VMDK. Não há suporte para todos os outros formatos VMDK, como aqueles que usam vários arquivos ou volumes divididos, ou que contêm snapshots.
  • A interface de rede deve utilizar DHCP para descobrir as definições de rede. Quando você importa uma imagem personalizada, as interfaces de rede existentes não são recriadas. Qualquer interface de rede existente é substituída por uma só NIC depois que o processo de importação é concluído. Você pode anexar VNICs adicionais depois de iniciar a instância importada.

  • A configuração de rede não deve codificar o endereço MAC da interface de rede.

É recomendável que você ative o SSH baseado em certificado. No entanto, isso é opcional. Se quiser que a imagem use automaticamente chaves SSH fornecidas em um script de inicialização quando iniciar uma instância, você poderá instalar o cloud-init ao preparar a imagem. Consulte Criando uma Instância para obter mais informações sobre como fornecer dados do usuário.

Preparando VMs Linux para Importação

Antes de importar uma imagem do Linux personalizada, é necessário preparar a imagem para garantir que as instâncias iniciadas pela imagem possam ser inicializadas corretamente e que as conexões de rede funcionarão. Faça o seguinte:

  1. Como opção, configure sua imagem do Linux para suportar conexões da console serial. Uma conexão da console pode ajudá-lo a diagnosticar e solucionar remotamente problemas de instâncias com mau funcionamento, como uma imagem importada que não conclui uma inicialização bem-sucedida.

  2. Crie um backup do volume raiz.

  3. Se a VM tiver armazenamento conectado remotamente, como o NFS ou volumes em blocos, configure quaisquer serviços que dependam deste armazenamento para iniciar manualmente. O armazenamento conectado remotamente não está disponível na primeira vez que uma instância importada é inicializada no Oracle Cloud Infrastructure.

  4. Certifique-se de que todas as interfaces de rede usem DHCP e que o endereço MAC e os endereços IP não sejam codificados. Consulte a documentação do sistema para saber as etapas necessárias para executar a configuração de rede para o seu sistema.

  5. Interrompa a VM.

  6. Clone a VM interrompida como um arquivo VMDK ou QCOW2 e, em seguida, exporte a imagem do seu ambiente de virtualização. Consulte a documentação das ferramentas do seu ambiente de virtualização para obter as etapas.

Importando uma VM Baseada no Linux

Após preparar uma imagem do Linux para importação, siga estas etapas para importar a imagem:

  1. Faça upload do arquivo de imagem para um bucket do Object Storage. Você pode fazer upload do arquivo usando a Console ou usando a CLI (interface de linha de comando). Se você usar a CLI, use o seguinte comando:

    oci os object put -bn <destination_bucket_name> --file <path_to_the_VMDK_or_QCOW2_file>
  2. Abra o menu de navegação e clique em Compute. Em Compute, clique em Imagens Personalizadas.
  3. Clique em Importar imagem.

  4. Na lista Criar no compartimento, selecione o compartimento para o qual você deseja importar a imagem.

  5. Digite um Nome para a imagem. Evite digitar informações confidenciais.

  6. Para o Sistema operacional, selecione Linux.

  7. Selecione a opção Importar de um bucket do Object Storage.

  8. Selecione o Bucket para o qual você fez o upload da imagem.
  9. Na lista Nome do objeto, selecione o arquivo de imagem submetido a upload.
  10. Para o Tipo de Imagem, selecione o tipo de arquivo da imagem: VMDK ou QCOW2.

  11. Dependendo da versão da sua imagem do Linux, na área Modo de inicialização, selecione Modo Paravirtualizado ou Modo Emulado. Se sua imagem suportar drivers paravirtualizados, recomendamos que você selecione o modo paravirtualizado.

  12. Mostrar opções de tag: Se você tiver permissões para criar um recurso, também terá permissões para aplicar tags de formato livre a esse recurso. Para aplicar uma tag definida, você deve ter permissões para usar o namespace da tag. Para obter mais informações sobre tags, consulte Tags de Recursos. Se você não tiver certeza se deseja aplicar tags, ignore esta opção ou pergunte a um administrador. Você pode aplicar tags posteriormente.
  13. Clique em Importar imagem.

    A imagem importada aparece na lista Imagens personalizadas do compartimento, com o estado Importando. Quando a importação for concluída com sucesso, o estado mudará para Disponível.

    Se o estado não for alterado ou nenhuma entrada aparecer na lista Imagens personalizadas, a importação falhará. Certifique-se de ter acesso de leitura ao objeto do Object Storage e de que o objeto contenha uma imagem suportada.

  14. Execute as tarefas de pós-importação.

Tarefas Pós-Importação para Imagens do Linux

Após importar uma imagem personalizada baseada no Linux, faça o seguinte:

  1. Se quiser usar a imagem em formas baseadas em AMD ou X6, adicione as formas à lista de formas compatíveis da imagem.
  2. Crie uma instância com base na imagem personalizada. Para a origem da imagem, selecione Imagens Personalizadas e, em seguida, selecione a imagem importada.
  3. Conecte-se à instância usando SSH.
  4. Se a instância exigir qualquer armazenamento conectado remotamente, como volumes em blocos ou armazenamento de arquivos, crie e anexe-o. Se estiver usando anexos iSCSI, consulte Parâmetros do Iniciador iSCSI Recomendados para Imagens baseadas no Linux.
  5. Crie e anexe quaisquer VNICs secundárias necessárias.
  6. Teste se todos os aplicativos estão funcionando conforme esperado.
  7. Redefina os serviços que foram definidos para serem iniciados manualmente.
  8. Se você tiver ativado o acesso à console serial para a imagem, teste-a criando uma conexão de console serial com a instância.

Veja os problemas atuais e as soluções alternativas para problemas conhecidos de imagens personalizadas importadas.